Webinar Paternidades Ativas: Conhecendo o tema e desenhando políticas públicas

Elaborar políticas públicas que incluam e valorizem o papel do homem como cuidador traz uma série de benefícios para o desenvolvimento das crianças, além de diminuir a desigualdade de gênero e índices de violência doméstica. No dia 14 de agosto, o webinar Paternidades Ativas: Conhecendo o tema e desenhando políticas públicas abordou a temática, a partir de um panorama teórico e de exemplos práticos dentro e fora da Rede Urban95. Participaram do webinar gestores e equipes técnicas das 24 cidades da Rede.

Luciano Ramos, pesquisador e diretor adjunto do Instituto Promundo, foi o convidado do encontro produzido pelo CECIP. Luciano apresentou os desafios de trabalhar paternidades e masculinidades em um país estruturalmente racista e machista como o Brasil, bem como as novas e diversas formas de paternar que têm surgido:

“Há décadas estamos falando para os homens de uma paternidade hegemônica, ideal e inalcançável, calcada no machismo e no racismo. Precisamos falar sobre paternidades possíveis, e isso se faz com políticas públicas efetivas, que façam análises interseccionais e olhem para esses indivíduos a partir de vulnerabilidades e potências”.

Durante o webinar, o pesquisador Luciano Ramos sensibilizou gestores e equipes técnicas sobre o tema de paternidades diversas / Crédito da Foto: Prefeitura de Boa Vista

Como exemplo de boas práticas de paternar, Luciano compartilhou a vivência dos indígenas Wajãpi, no Amapá. Quando uma criança nasce, o pai e a mãe se retiram para um espaço recluso durante quatro meses. O pai indígena é igualmente responsável pelo cuidado e alimentação do bebê, enquanto o resto da aldeia cuida das tarefas e das crianças dos pais em isolamento, em um esforço comunitário para que este pai possa fortalecer o vínculo com a família.

Ainda no campo das boas práticas, o pesquisador sublinhou a importância de políticas públicas como a Política Nacional de Atenção Integral da Saúde do Homem (PNAISH) e a Pré-natal do Parceiro, que incluem o homem em todas as etapas da gestação e também dos cuidados com a primeira infância.

O webinar contou com mediação de Eduardo Chakora, diretor de projetos da ANDI – Comunicação e Direitos. Eduardo também trouxe para o debate boas práticas de paternidades ativas dentro da Rede Urban95. Destaque para as licenças-paternidade estendidas das cidades de Mogi das Cruzes (SP), Campinas (SP) e São Paulo (SP), e também Boa Vista (RR), que desenvolve a campanha Pacto pela Paternidade Boa, que estimula a presença paterna na vida da criança.

O webinar terminou com a participação de Nina Ribeiro, Rodrigo Sarti e Walter Simões, produtores do podcast Caminhos Possíveis, desenvolvido pelo Instituto da Infância (IFAN) com apoio da Fundação Bernard van Leer. A série de podcasts desmistifica ideias de paternidade, com convidados de diferentes áreas do conhecimento apresentando diversas formas de ser pai. Todos os episódios estão disponíveis na plataforma Spotify.

Confira o webinar na íntegra: