A importância do Cuidador no desenvolvimento da primeira infância

AS INFLUÊNCIAS MAIS PODEROSAS SOBRE O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: PAIS E CUIDADORES 

Os primeiros anos de vida influenciam as relações futuras e a capacidade de aprendizado da criança

Durante a primeira infância o cérebro das crianças se desenvolve mais rapidamente do que em qualquer outra época de suas vidas, e as experiências vividas têm um impacto profundo e duradouro sobre sua saúde física e mental, sua capacidade de aprender e de se relacionar. O que pais e outros cuidadores fazem durante este período ajuda a construir a arquitetura cerebral que servirá de base para uma boa saúde e capacidade de aprendizado durante o resto da infância e da vida adulta.

As relações que um bebê ou uma criança de até 05 anos têm com os adultos durante sua vida são as influências mais importantes sobre seu desenvolvimento. Essas relações começam em casa, com pais e outros membros da família, como avós e irmãos. Estes cuidadores são responsáveis pela segurança e saúde da criança, assim como pelo que ela come e por suas experiências de percepção do mundo. 

O cuidado estabelece vínculos entre a criança e outros adultos, o que se constrói por meio de práticas diárias, afeto e a identificação de oportunidades para contribuir com o desenvolvimento dos bebês e crianças pequenas. Além dos pais e avós, os cuidadores podem ser profissionais da saúde, serviço social, educação ou outras áreas que prestam serviços e se relacionam com crianças na primeira infância.

Cantar, brincar e contar histórias

Interações verbais com bebês e crianças pequenas beneficiam profundamente o desenvolvimento integral

 

Quando pais e outros cuidadores conversam, cantam e brincam com seus bebês, eles os ajudam a construir um cérebro saudável e programado para aprender e interagir com os outros. Estudos mostram que um cuidado afetuoso, estimulante e responsivo é um dos melhores indicadores de que essas crianças serão bem-sucedidas na escola e adultos mais felizes e mais saudáveis. Sabemos também, que 15 minutos de leitura diária para bebês e crianças pequenas já tem uma grande e positiva influência em seu desenvolvimento cognitivo e emocional, assim como o vínculo entre cuidador e criança. 

Contar histórias, cantar e ler criam um importante alicerce para o desenvolvimento socioemocional, assim como para o desenvolvimento da linguagem e para a posterior alfabetização. Responder aos sons, às expressões e aos movimentos das crianças pequenas por meio de conversas chegou a ser relacionado ao QI delas durante a adolescência. Interações verbais podem tomar muitas formas e a alfabetização do cuidador não é condição obrigatória. 

Cuidadores podem inventar suas próprias histórias ou contar histórias que conhecem de memória, e observar livros junto com a criança. Falar e cantar para bebês e crianças pequenas também ajuda no desenvolvimento das habilidades socioemocionais: se os pais mencionam e discutem suas emoções e perguntam às crianças como elas estão se sentindo, elas aprenderão a ter consciência de suas emoções e serão mais capazes de controlá-las.

DESIGN PARA O CUIDADO

O que as cidades podem fazer para ajudar no cuidado de bebês e crianças pequenas?

Planejar cidades para bebês e crianças pequenas significa pensar e desenvolver soluções urbanas que atendam também as pessoas que cuidam deles. Bebês e crianças pequenas não passeiam sozinhos pelas cidades e, caso seus cuidadores não se sintam seguros e confortáveis na cidade, são baixas as chances de que possam experimentar a cidade e os espaços públicos para seu bem estar e lazer. Os cuidadores precisam se sentir seguros e confortáveis – o que pode ser propiciado por uma boa iluminação, árvores que façam sombras, zonas de proteção entre a calçada e a rua, bancos para descanso e banheiros públicos. Focar em bebês, crianças pequenas e em seus cuidadores torna a cidade melhor para todo mundo.

As cidades também podem se esforçar para oferecer serviços de qualidade e acessíveis para todos os cuidadores, garantindo que eles tenham as melhores condições para atender os bebês e crianças pequenas. Relações estáveis, responsivas e encorajadoras durante os primeiros anos de vida proporcionam benefícios de aprendizagem, comportamento e saúde física e mental para a vida toda. Mas estimular este cuidado nem sempre é fácil ou simples, e pais e outros cuidadores que não têm acesso a serviços essenciais enfrentarão não apenas mais dificuldades para proporcionar alimento, abrigo e saneamento, mas também terão menos tempo, energia e capacidade cognitiva para cuidar de seus bebês e crianças pequenas como gostariam.