Qual é a idade da primeira infância?

O início da vida é o momento mais importante na formação de uma criança

É considerado primeira infância o período que vai da gestação aos 6 anos de idade, quando as crianças têm suas primeiras experiências, o primeiro contato com o mundo e outras pessoas. As primeiras fases da vida são as mais ricas para o aprendizado e desenvolvimento de um ser humano, pois ainda somos maleáveis e completamente influenciáveis. Como “esponjas” do ambiente, os bebês e crianças pequenas dependem totalmente de seus cuidadores para atingirem seu pleno desenvolvimento.

A sociedade também pode contribuir para a oferta de melhores ambientes para que as crianças cresçam saudáveis e felizes, e não há melhor janela de oportunidade para os governos gerarem impactos duradouros em sua saúde e bem-estar físico e mental, capacidade de aprendizagem e potencial produtivo no futuro. Além disso, os investimentos no desenvolvimento infantil, especificamente na primeira infância, proporcionam retornos exponenciais e estabelecem as bases para uma sociedade próspera e pacífica.

Desenvolvimento na primeira infância

O cérebro dos pequenos exploradores 

1 milhão de sinapses se formam por segundo no cérebro de uma criança pequena, fazendo da primeira infância o momento ideal para oferecer experiências de aprendizagem ricas e oportunidades para exploração dos espaços. Os bebês e crianças pequenas podem ser considerados os melhores cientistas do mundo, sempre em busca das experiências práticas e experimentações diante da realidade.

Durante as primeiras fases, contamos com nossos cuidadores para ter acesso aos benefícios da aprendizagem, cuidados com a saúde e estímulos responsivos. Essas relações começam em casa com pais e outros membros da família, como avós e irmãos. Esses cuidadores são responsáveis pela segurança e saúde da criança, assim como pelo que ela come e por sua percepção do mundo. 

Quando pais e outros cuidadores conversam, cantam e brincam com seus bebês, eles os ajudam a construir um cérebro saudável e programado para aprender e interagir com os outros. Estudos mostram que um cuidado afetuoso, estimulante e responsivo é um dos melhores indicadores de que essas crianças serão bem-sucedidas na escola e adultos mais felizes e mais saudáveis. As cidades podem ajudar os cuidadores nessas tarefas.

Cidades sob a perspectiva dos 95 cm

Intervenções que ajudam as cidades a promoverem mudança de comportamento

A Urban95 incentiva as cidades a pensarem em como aproximar os espaços públicos e verdes dos bebês, crianças pequenas e seus cuidadores, seja oferecendo um bom sistema de transporte público ou opções de lazer e serviços que estejam acessíveis com uma caminhada, ruas limpas e seguras, calçadas largas, iluminadas e com sinalização adequada.

A extrema vulnerabilidade e dependência dos bebês e crianças na primeira infância faz com que seus cuidadores primários, como pais, avós e professores, sejam os agentes principais no desenvolvimento integral e capacidade de aprendizagem dos pequenos. Por isso acreditamos que cuidar dos cuidadores também é importante, promovendo interações parentais positivas, hábitos saudáveis e o acesso aos serviços que as famílias precisam. 

As intervenções propostas estão organizadas em quatro eixos estruturantes: 

1. Tomada de decisões com base em dados

Coletar dados sobre crianças pequenas e seus cuidadores em cada bairro e usá-los para melhorar a alocação de recursos e facilitar a coordenação entre os diferentes setores.

2. Espaços públicos e natureza

Transformar os espaços físicos existentes em lugares onde as crianças pequenas brinquem sem perigo e explorem a natureza, e cuidadores se encontrem e descansem. 

3. Mobilidade para famílias 

Permitir que cuidadores e crianças pequenas possam caminhar ou andar de bicicleta até serviços de saúde e creches, assim como chegar a lugares onde seja possível brincar sem perigo e encontrar fontes de alimentação saudável. 

4. Utilização de serviços 

Apoiar programas e políticas que informem os pais e cuidadores sobre a importância da primeira infância e compartilhem estratégias e boas práticas para o desenvolvimento infantil.